14 de fevereiro de 2019

Processo Criativo: 7 conselhos pra potencializar o seu!

As ilustradoras Amanda Mol e Marina Viabone compartilham dicas pra quem deseja tornar o seu processo criativo mais autêntico e estratégico.


O que posso fazer para tornar meu processo criativo mais dinâmico e estratégico? Como perder o medo de falar sobre precificação dos meus produtos? Meu processo criativo é todo redondinho e eu já crio, vendo e faço meu negócio acontecer, mas meus maiores dramas são: como lidar com o plágio e com a auto-crítica? 

Algumas dessas questões aí de cima já te deram dor de cabeça? Quando falamos sobre processo criativo sustentável é inevitável mapear de ponta a ponta todas as questões que envolvem essa missão de criação e expressão. Pra conversamos um pouco mais sobre isso, compilamos 7 conselhos das ilustradoras e empreendedoras Amanda Mol e Marina Viabone sobre como potencializar o processo criativo, tornando-o verdadeiramente estratégico e autêntico.

Todos os insights do post foram fisgados deste episódio do #NaveRetrospectiva:

E são para quem empreende em full time ou cuida de projetos paralelos e deseja uma dose de inspiração através de conselhos de quem cria pra quem cria. Se você ilustra ou não, mas quer potencializar sua jornada criativa, continue a leitura!


7 conselhos pra potencializar o seu processo criativo

#1 Descubra sua identidade criativa

Todo criativo nasce pronto? Nananinanão! Todo mundo vai construindo seu próprio caminho artístico. Através de experiências, histórias, habilidades e escolhas sua identidade criativa é progressivamente construída. Tudo que você é reflete no que você faz! E toda sua bagagem está marcada na sua identidade criativa.

Não é o que você faz, mas o porquê você faz. ~ Rafa Cappai

Para descobrir sua identidade criativa não tem outro jeito, teremos que te pedir para dar um mergulho em si! Se atente ao que faz sentido pra você, suas paixões, o que move suas emoções, o que te mantém motivado. Do que sua arte tem fome? Qual é o suprimento que nutre seus talentos?

Quando falamos de autenticidade e descoberta da identidade criativa, não queremos só que você encontre suas repostas e as guarde a sete chaves, o próximo passo é comunicar isso pro mundo! Criando e se expressando a partir daquilo que vem de dentro.

Como fazer isso? Ande mais algumas casas e a gente te conta!

#2 Seja gentil com você

Marina Viabone manda a dica que você respeita: Tenha disciplina pra passar pela insatisfação!

Essas porcarias que eu fazia no começo foram extremamente necessárias pra eu chegar onde estou agora. Ainda bem que não fui muito crítica comigo mesma. ~ Marina Viabone

Você não vai amar tudo que criar, mas isso faz parte do processo. Começar a tatear o seu jeito de se expressar e criar pode doer um pouquinho, fere o ego e é um sobe e desce de emoções, mas por favor, criativo, seja gentil com você.

Se você não tiver resiliência pra não gostar do seu trabalho e continuar fazendo até chegar no momento que passará a gostar, você vai desistir. ~ Rafa Cappai.

Às vezes será necessário se fechar no casulo criativo e não se comparar com pessoas que estão em outra frequência que você. Criação é experimentação com muita auto gentileza e resiliência, combinado?

#3 Tenha um olhar sensível para novas referências

Em tempos de internet não nos cabe deixar o lembrete: existem referências pra além do Pinterest!

Pra renovar seus ares criativos, até mesmo um passeio na feira ou uma ida ao supermercado podem te inspirar.

Cores, formas, cheiros, sensações, experiências são um prato cheio pra você dar um refresh em suas referências e trazer elementos novinhos em folha pro seu processo criativo.

Uma sensação gostosa que eu tenho é que eu acho incrível saber que tenho um lugar, que quando eu voltar vou aplicar as pequenas coisas que me inspiraram nesses caminhos. ~ Amanda Mol

Busque pequenos refúgios pra se inspirar e deixe a porta aberta para que novas referências entrem e te façam companhia no seu processo criativo.

#4 Crie produtos surpreendentes

Descobrir sua identidade criativa e fixar um porquê daquilo que você faz é o combo da autenticidade. Esses parâmetros podem até parecer bastante abstratos e filosóficos, mas são fundamentais na hora de criar os seus produtos.

No #NaveRetrospectiva, Amanda Mol nos contou como amarra o seu porquê nos produtos que cria e como é o seu processo criativo. Sua marca tem um catálogo recheado de produtos devidamente carimbados com a sua identidade criativa. Na hora de criar o foco é pensar em todo o lifestyle do produto e na surpresa que deseja causar em seu público.

Produto é causar uma certa surpresa. ~ Amanda Mol

Focou bem nessas palavrinhas: lifestyle e surpresa.  O primeiro passo para criar um produto surpreendente é mapeando as impressões e transformações que seu público terá ao recebê-lo e destrinchando de forma legal e criativa o jeito que sua criação poderá se encaixar no estilo de vida da sua galera.

Pra criar produtos que faça seu público dar um sonoro “UAU”, se pergunte: o que posso acrescentar ao meu cliente através dessa criação?

E não pense que o acrescentar aqui é uma noção de utilidade, viu? Estética, bem estar, inspiração entram nessa conta!

#5 Pense como o produto pode acontecer nos seus arredores

Pense como suas criações podem tomar forma através de cocriação com fornecedores locais! Essa é a dica de ouro da Amanda Mol para quem empreende em cidades pequenas e deseja depositar uma pitadinha de inovação e autenticidade em seus produtos. Em seu processo criativo, Amanda já mapeia como seus produtos podem acontecer através da colaboração do capital humano que está ali bem pertinho.

Pensar como esse produto pode acontecer nos meus arredores. ~ Amanda Mol

Além de estimular a economia local, você poderá trocar no tête-à-tête as referências com seu fornecedor, dar detalhes da sua ideia, desenvolver testes e conseguir produzir em menor escala, pra experimentar e medir a temperatura do seu público na recepção do seu novo produto.

Eu tenho fornecedor grande, que não precisa de mim, e tenho fornecedor que eu sei que meu pedido faz diferença no orçamento dele e isso pra mim é muito importante. Eu quero estar sempre com essas pessoas, incentivando. ~ Amanda Mol

Importante: conte ao seu fornecedor que aquele é um produto exclusivo, desenvolvido por você e que todas as informações ficam só entre vocês. E se achar necessário resguardar formalmente essa parceria prepare um contrato de exclusividade contendo as cláusulas que vocês considerem indispensáveis pra iniciar os trabalhos.

#6 Não tenha medo de falar sobre dinheiro

Essa história de trabalhar com criatividade é um exercício de aprender a dizer não. Concorda?

Se concorda é porque já disse muito sim para projetos cilada e “favorzinhos” para conhecidos deixando a valorização tangível (alô dindin!) e intangível (capital humano e criativo) do seu trabalho despencar.

O primeiro passo pra aprender a dizer não e valorizar seu trabalho? Não tenha medo de falar sobre dinheiro! E isso é conselho de quem já está fazendo o seu rolê acontecer:

Não tenha medo de falar de preço. ~ Marina Viabone

Algumas pessoas aprendem isso a duras penas, mas por isso esse é o sexto conselho dessa lista, pra te estimular atingir a clareza e autonomia que serão necessárias na hora de precificar seus produtos e serviços de um jeito que seja massa pra sustentabilidade do seu negócio. 

Eu faço o cálculo dos centavos no papel pra saber quanto esse produto irá custar. ~ Amanda Mol

Como fazer essa precificação de um jeito simples? Levante seus gastos com transporte, luz, água, aluguel, depreciação do computador, fornecedores, alimentação, matéria-prima, embalagens, entrega e o mais importante, mensure o valor do processo criativo que resultou no seu novo produto ou serviço.

A gente tem uma ferramenta poderosíssima chamada dinheiro, onde a gente pode estimular e fazer florescer o trabalho de pessoas que a gente acredita e que tem o poder de transformar o mundo em um lugar melhor. ~ Rafa Cappai

Sábias palavras da comandante, não?!

#7 Não pare por causa do plágio

Não podemos deixar de falar sobre ele o polêmico… plágio!

Tanto Amanda Mol quanto Marina Viabone lidam diariamente essa situação delicada e elas dão um conselho: aprenda lidar com eles! Não deixe de colocar seu trabalho no mundo por medo de ser copiado!

Uma coisa é certa, se seu trabalho tem sido copiado é porque ali tem algum borogodó! Rs

Para não surtar com casos chatos de Ctrl C, Ctrl V do seu trabalho, mantenha o foco no seu processo criativo. Amanda Mol, criou um modelo de comunicação não agressiva para entrar em contato com pessoas que se inspiraram um pouco além da conta em seu trabalho.  Essa é uma dica boa para criativos que precisam viver vez ou outra esse tipo de situação.


Conselhos devidamente anotados?

Confira também os papos elegantes e sinceros que tivemos com Amanda e Marina no #VQVConvida, vem pro play:



👉  Você tem um ritual para iniciar o processo criativo de um novo produto ou serviço? Conta pra gente aí nos comentários! 🌈🎨

Veja mais em: Bússola

Receba dicas de como transformar
paixão e talento em negócio!